sábado, 30 de julho de 2011

Alessandra Leão - Dois Cordões


Talvez o melhor disco de música regional que já ouvi nos últimos tempos. Excelentemente bem produzido, com uma mistura de elementos harmônicos à percussão típica de rítmos populares.
Suavidade e peso dos tambores em total sincronia e justaposição, além do sotaque pernambucando lindo que a voz de Alessandra Leão traz.

É incrível!

http://www.4shared.com/file/4xspFNyY/02__Alessandra_Leo_-_Dois_cord.htm

domingo, 24 de julho de 2011

segunda-feira, 18 de julho de 2011

ao bem

Toda espera, todo vagar de segundo nesse tempo inteiro fez inflar o amor posto em mim pelos olhos dela. Olhos vistos ligeiramente e que se faziam imagéticos e profundos.
A lembrança daquela moça bela tão imersa na leitura de um puto escritor qualquer, me roubava os sentidos e me compelia à distração num ponto absorto.
A distância era como um amontoado de torturas físicas e mentais - o corpo pedia o corpo dela e a alma o amor contido nela.
E o destino, o acaso, os contra-tempos, brincavam com minhas ansiedades, embora a trazendo pra cada vez mais perto, mais perto, mais perto... Tão perto que já sinto o toque das mãos e o movimento cálido da língua!
Ahhh!
Bom é amá-la de perto. Amá-la de longe me enchia o peito, mas de mãos vazias. Isso era como ver de longe pássaros que não pousavam perto.

E toda a palidez de minhas horas deram vazão à um frenético luzir de fogos de artificio coloridos irradiando alegria em mim.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Aos amantes do choro, 70 anos de Pixinguinha


O que teria eu a dizer sobre o disco, sendo que originalmente quem faz a apresentação na capa é Jacob do Bandolim?
É, enfim, uma obra-prima e uma pequena mostra em 12 faixas do que é a genialidade de Pixinguinha.

E como finalizara Jacob na apresentação: Viva Pixinga!

http://www.4shared.com/file/rKq3RyDe/Pinxinguinha_70_anos.htm


domingo, 10 de julho de 2011

transubstanciar-se

Esmaguei sob julgo todo pavio do meu cigarro. Ali, o resumo de minhas alterações começaram a se esvair em sincronia às cinzas já debruçadas e mortas. A vida me voltava.
Fora de mim nada mais existia, além de um amontoado de textos rabiscados num papel com pensamentos postos e desejos transubstanciados.
A partir de então, todo resto, em mim, se imantava a todo suplemento que supracita a felicidade de estar aqui, de estar com meu amor, de estar com as mãos sobre intermináveis possibilidade de sons e, sobretudo, sonhos dentro destes sons.

Pisando devagar na casca desse chão.

sábado, 9 de julho de 2011

segunda-feira, 4 de julho de 2011

frio.

frio. eis a acentuação de mim.
não o frio que me arrepia, ou que traveste minhas expectativas.
o frio da ausência é o que me mata.
lá fora o dia se acinzenta e goteja, tal qual meus pensamentos na lembrança dela. tal qual a distância dela na agonia minha.
agonia dela.
o frio também me veste de impotência. ou seria a impotência a me vestir de frio?
o frio se extende e parte de lá, chega aqui e me sufoca, me aperta a goela, me dilacera.
o frio vem dela.
o frio que vem sob efeito da movimentação do ar se extingue com a delicadeza do cobertor de bolinhas.
o frio dela me desespera.